Jovem suspeito de terrorismo diz que “não seria capaz de matar ninguém com uma faca”

O jovem acusado de planear um ataque terrorista à Faculdade de Ciências admitiu hoje que “não seria capaz de matar ninguém com uma faca”, reconhecendo que a sua ideia criminosa talvez fosse para “chamar a atenção das pessoas”.

João Carreira, de 19 anos, que sofre de autismo e atualmente está internado preventivamente no Hospital Prisional de Caxias, respondia a perguntas do seu advogado, Jorge Pracana, no Juízo Central Criminal de Lisboa, onde está a ser julgado por dois crimes de terrorismo, um dos quais na forma tentada, e de um de detenção de arma proibida, depois de, em fevereiro, ter sido detido pela PJ no seu quarto nos Olivais, na posse de facas, bestas e cocktails molotov, entre outro material.

Apesar de toda a prova indiciária recolhida pelos agentes da PJ apontar para a iminência de um ataque sanguinário dentro da faculdade, o advogado de defesa pretendeu evidenciar ao coletivo de juízes presidido por Nuno Costa que o tribunal está na presença de alguém que dificilmente passaria das palavras aos atos descritos na acusação.

“Já mataste algum animal na tua vida?”, questionou Jorge Pracana, ao que o jovem respondeu prontamente.”Nunca”.

“Eras capaz de pegar numa faca e espetar num ser humano?, insistiu ao causídico, ao que João Carreira retorquiu: “Acho que não”.

A pergunta de Jorge Pracana incidiu sobre as facas porque, antes, o jovem tinha apontado, entre os objetos apreendidos, a faca como sendo, na sua perspetiva, “a arma mais eficaz”.

Durante o interrogatório, o jovem admitiu que “nunca manejou uma arma de fogo”, confirmando porém que comprou várias facas, sendo que a escolha recaía naquelas que eram mais “fixes” e esteticamente atraentes.

Revelou ainda que na véspera de ser detido ficou a saber na “Loja do Chinês”, onde adquiriu material para o seu plano, que a polícia “andava atrás de si”, o que o levou a cancelar a compra de mais líquido para fabricar os cocktails molotov.

Também em resposta ao advogado, o estudante de engenharia informática, cujos pais vivem na Batalha e o único irmão reside e trabalha na Alemanha, confessou que chegou a pensar em suicidar-se, em vez de cometer o atentado, mas que “não foi capaz”, justificando que não tinha “razão” e eventualmente coragem para o fazer.

Durante a sessão, o tribunal inquiriu Micaela Nunes, uma jovem que tinha um blogue sobre casos criminais e que se tornou amiga, via online, do arguido, trocando também com ele ideias e mensagens no Telegram e Instagram. A testemunha disse saber que João Carreira tinha armas, que estava “triste”, tendo-lhe dito “várias vezes que se ia matar”.

Em tribunal foram também ouvidos dois inspetores da Unidade Nacional de Combate ao Terrrorismo da PJ, tendo ambos confirmado ter sido o FBI a lançar o alerta sobre as intenções criminosas do jovem, após uma denúncia de que este teria anunciado num grupo restrito da internet o seu plano de causar mortes na universidade.

Arménio Pontes contou que na vigilância efetuada na universidade constatou-se que o jovem “não interagia com ninguém”, andando “cabisbaixo” e que “algo a nível comportamental” indicava que “algo estava a acontecer”. Alertou ainda para o “plano muito elaborado e disiciplinado” encontrado na parede do quarto do jovem, que é “típico” de quem prepara meticulosamente este tipo de atentados. Segundo o plano, o ataque deveria ser concretizado dia 11 de fevereiro.

Quer Arménio Pontes, quer o seu colega Luís Simas Miranda, declararam que o jovem “estava a dormir” quando o seu quarto foi alvo de buscas, tendo João Carreira ficado “surpreendido” com a ação, mas com uma atitude “colaborante” e “serena”.

Os inspetores da PJ vincaram que, após ser detido nos Olivais, o jovem lamentou ter deixado passar a oportunidade, desabafando: “Fogo, já devia ter feito isto (ataque) na segunda-feira”.

João Carreira ficou em prisão preventiva desde 11 de fevereiro de 2022, tendo a medida de coação sido substituída por internamento preventivo no Hospital Prisional de Caxias, com o Ministério Público a alegar “forte perigo de continuação da atividade criminosa e um intenso perigo de perturbação da tranquilidade e da ordem públicas”.

A próxima audiência de julgamento está marcada para dia 28, devendo as alegações finais ocorrerem em 04 de novembro.

Partilhar
Definições de Cookies

A Rádio 94FM pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.