Covid-19: Festas populares e festivais provocaram 340 mil casos

(Agência Lusa)

As festas populares e os festivais de música que decorreram durante o mês de junho, com destaque para o Rock in Rio, provocaram cerca de 340 mil casos de covid-19, estima o relatório do Instituto Superior Técnico (IST).

Ao longo dos cerca de três meses desde o início da sexta vaga da pandemia, entre 25 e 26 de abril, Portugal registou um total de 1.363.000 casos e 2.331 óbitos associados à covid-19.

O balanço é feito num relatório do IST, a que a Lusa teve hoje acesso, e que analisa a sexta vaga de covid-19 em Portugal, coincidente com o alívio de medidas restritivas e o regresso das festas populares e dos festivais de música.

No último relatório, os peritos antecipavam que a realização destes eventos, sem máscaras nem testagem, resultasse em 350 mil contágios diretos no país. A realidade ficou ligeiramente abaixo, mas não muito distante.

De acordo com as estimativas mais recentes, houve cerca de 242 mil casos de covid-19 registados oficialmente devido às festividades dos santos populares e festivais como o Rock in Rio.

“Se juntarmos os casos não reportados oficialmente atinge-se o número de 340 mil”, refere o relatório, produzido por Henrique Oliveira, Pedro Amaral, José Rui Figueira e Ana Serro, que compõem o grupo de trabalho coordenado pelo presidente do Técnico, Rogério Colaço.

Comparando com um cenário em que se manteria a testagem e a obrigatoriedade do uso de máscara em grandes eventos, a incidência estimada durante o mês de junho seria inferior, referem os peritos, que sublinham que as medidas “não teriam impacto económico”.

Além desses eventos, o relatório recorda que a sexta vaga coincidiu também com o alívio de medidas restritivas e entre os dois fatores o documento aponta mais 646 mil casos de contágio pelo SARS-CoV-2.

Incluindo os casos não reportados, esse número aproxima-se dos 900 mil.

Mantendo as medidas sem impacto económico, designadamente o uso de máscara e a testagem gratuita, ter-se-ia registado igualmente uma sexta vaga, devido à variante Ómicron, mas “os seus efeitos seriam cumulativamente menores e a descida seria mais cedo e mais rápida”.

Em relação aos óbitos, os peritos apontam a morte de 790 pessoas com covid-19 devido ao levantamento das restrições e às festividades, dos quais 330 associados às festas populares de junho.

“O efeito aqui é mais lento e menor do que o efeito das medidas gerais, pois afeta diretamente população mais jovem, mas leva a contágios em cascata que acabam por vitimar os mais suscetíveis a doença grave”, sustentam, em referência às festas populares.

Numa avaliação global da sexta vaga, os peritos esclarecem que se deveu sobretudo à nova linhagem BA.5 da variante Ómicron do SARS-CoV-2 e referem que a situação epidemiológica atual já revela uma tendência decrescente.

Ao longo dos últimos três meses, a letalidade registou uma subida mais acentuada em meados de maio, tendo estabilizado depois em valores ligeiramente abaixo de 0,2%, refletindo os efeitos do reforço vacinal, e situa-se atualmente nos 0,17%.

No entanto, o grupo de trabalho ressalva que, olhando para a letalidade, parece notar-se “uma possível correlação com vagas de calor”.

Atualmente, o índice de transmissibilidade (Rt) fixa-se nos 0,90, em descida lenta devido “ao alívio de medidas e dos contágios de junho que se repercutem em cascata em julho, o que retardou a descida prevista da incidência”.

Ainda assim, e face à atual situação do país, o Indicador de Avaliação da Pandemia (IAP) do IST e da Ordem dos Médicos está nos 63,8 pontos, abaixo do nível de alarme e “com tendência de atingirmos os valores mais baixos de 2022”.

O IAP combina a incidência, a transmissibilidade, a letalidade e a hospitalização em enfermaria e em cuidados intensivos, apresentando dois limiares: o nível de alarme, quando atinge os 80 pontos, e o nível crítico, quando chega aos 100 pontos.

Apesar da redução significativa do perigo pandémico, os peritos reforçam a recomendação do uso de máscara em situação de maior risco de contágio e o reforço da monitorização a partir do mês de setembro, alertando que “ter excesso de confiança é o risco que Portugal corre”.

Definições de Cookies

A Rádio 94FM pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.